sábado, 7 de janeiro de 2017

há de se cair do absurdo
de se perder no escuro
de se doer na ausência
de se encontrar na curva
porque a vida é espasmo
é contingência
há de se sujar na lama
e chorar na cama
de mergulhar na fossa
de se banhar de culpa
porque a vida é bossa,
é samba
é salsa
há de se fazer a louca
invernar sem roupa
transpor o sonho
saltar sem asas
porque a vida é pouca
e tanta
e doida
há de se inventar o passo
bordar o laço
rezar no vazio
escolher a tinta
porque a vida cabe no abraço
e é linda
há de se cuidar da ferida
de entender a partida
de se lembrar da imagem
de suportar a agonia
porque a vida é coragem
é viagem
é travessia

Rita Almeida
Eu sou as cicatrizes do meu corpo
E todas as decisões erradas que tomei
Sou as coisas que perdi pelo caminho
Os vexames que passei por ir longe demais
E as queimaduras, por ousar o fogo
Eu nunca fui aquilo que penso antes de dormir
Nem os devaneios que me assaltam na janela do ônibus
Não sou o que prometo nas viradas de ano
Ou o que planejo para a semana seguinte
Sou apenas os passos que tive coragem de dar
Mesmo os que acabaram em queda
Sou essa mancha que me cobre os dois joelhos
De quem escolheu a velocidade sem prudência
E errou na hora da curva
É que o ser não se faz com a cabeça
E sim com os pés
Não existe nenhuma garantia de ser
Quando se escolhe o futuro como tempo
E a imaginação como lugar
O ser pertence ao passado
Eu fui, é o único tempo verbal que o garante
Porque ser não é promessa
É rastro

Rita Almeida
Pouca gente sabe, mas mulher é pra ser feita com cuidado
É aos poucos que a gente vai se juntando
Como não há forma para fazer meninas,
A gente chega assim espalhada
Desengonçada
E logo se depara num desarranjo com a vaidade
Por um apego excessivo ao espelho
E ao amor do outro
Também entendemos logo que, às vezes, doer é a única coisa que se tem
Que sangrar é normal
E que é preciso sobreviver aos banheiros públicos
Ao governo dos hormônios
E à falta de sensibilidade
Mulher é pra ser feita aos pedacinhos
E a gente aprecia os bem pequenos
Especialmente os detalhes desimportantes
Tudo pode servir
Pra preencher esse buraco que carregamos
Afinal,
Aprendemos desde cedo que é preciso tapar o vazio
E só mais tarde, bem mais tarde
Entendemos que o vazio é, na verdade, o que temos de melhor
É nossa graça

Rita Almeida
Quando a vida me rasga
Eu invento de bordar com a escrita
E para esse rasgar que não cessa
Nunca paro de escrever
Minha vida tornou-se essa insistência em ornar
Em fiar alguma beleza nesse tecido roto
A escrita é agulha que faz o movimento da palavra
A palavra é linha – matéria-prima duvidosa
A escrita precisa de vida
Já a palavra, tem pacto com a morte
E só consigo escrever quando aceito essa morte
E eu aceito
Eu aceito
E aceito quantas vezes forem necessárias
Aceito cair da palavra
Aceito, porque há um abismo intransponível entre o que eu escrevo,
e o que pretendia escrever
Por isso, não espero mais quem me proteja ou me salve
Nem pretendo nenhuma eternidade
A escrita tornou-me insuficiente
Remendada
Rota
E já não desejo lutar contra isso
Só preciso de um bordado que seja bonito

Rita Almeida
Tenho pra mim que o poema nasce no centro do peito
Bem lá no fundo
É o que poderia ter virado um grito
Um vômito
Um espasmo
Ou uma mentira crônica
Mas escolheu descer e se enraizar na sola dos pés
Onde vai tomar corpo
Sim. É nos pés que um poema se encorpa
Nos pés daqueles que escolheram não calçar
E se alimentam das andanças com os pés no chão
Porque poemas se formam no interstício entre o caminhante e o caminho
Num exíguo espaço
Que quase sempre dói
Dos pés, os poemas seguem direto para a palavra
Escrita, falada ou cantada
E só depois que se tornam palavra,
Depois de saírem
Podem entrar novo pelos olhos, pelos ouvidos, pelos dedos...
Para voltarem ao peito
E lá morar
Mas um aviso:
Poemas devem circular entre o peito é os pés
Nunca devem ir para a cabeça
Pois a cabeça é o tumulo do poema
Outro aviso:
Poemas podem ficar presos no pé
Lá eles estão se fazendo
Ou ao menos deixando seus rastros pelo caminho
Todavia, nunca deixe um poema preso no peito
Nada pior que morrer no mesmo lugar em que se nasceu
Nada mais melancólico que não fazer bom uso dos próprios pés

Rita Almeida